Os países que compõem o Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) acordaram em instituir a Universidade em Rede. A iniciativa prevê a oferta de 10 bolsas de mestrado e 10 de doutorado destinadas a diversas áreas da produção acadêmica, como economia, energia, tecnologia e meio ambiente.

O anúncio foi feito pelo ministro da Educação, Aloizio Mercadante, nesta terça-feira (24), durante a reunião de instalação do fórum de acompanhamento do valor do piso salarial dos professores da Educação Básica. “Serão bolsas adicionais, porque esses programas já existem”, explicou Mercadante.

As bolsas vão ser destinadas aos seguintes setores: economia; energia; tecnologia e segurança da informação; mudanças climáticas e efeito estufa; recursos hídricos e poluição; além de estudos a respeito do próprio Brics. A expectativa é de que o edital de programas seja publicado já em dezembro, com seleção dos alunos no segundo semestre de 2016, e início das aulas no primeiro de 2017.

Instituição de excelência

Representado pelo secretário-executivo do Ministério da Educação (MEC), Luiz Cláudio Costa, o Brasil assinou, juntamente com os demais países, o memorando que formaliza a criação da instituição durante reunião ocorrida em 18 de novembro, na capital russa, Moscou. “É um momento histórico para a relação em educação entre os países do Brics”, disse Costa, à época.

A Universidade em Rede foi sugerida por Mercadante durante a 1ª Reunião de Ministros da Educação do Brics, em novembro de 2013, primeira passagem dele à frente da pasta. O objetivo dos idealizadores é criar uma universidade de excelência, composta pela comunidade acadêmica dos cinco países do bloco.

Brasil

Volver